Envelhecimento Precoce: Sintomas e Tratamento

Uma nova teoria sobre o envelhecimento humano tem preconizado que passamos a envelhecer de forma acelerada quando certos hormônios têm seus níveis sanguíneos diminuídos. Este processo inicia-se por volta dos 35 anos e chama-se envelhecimento precoce. A queda de hormônios como o estradiol, progesterona, testosterona, hormônio do crescimento, pregnenolona, melatonina, hormônios da tireóide e outros acabam por determinar a perda do equilíbrio metabólico. Esses hormônios, com ação construtora e reparadora predominante, quando diminuídos no organismo humano, levam a sintomas como fadiga crônica, cansaço excessivo, ganho de peso, depressão, falta de libido, baixo desempenho sexual, insônia, perda de memória, enfraquecimento dos ossos, perda de massa muscular, rugas e sulcos faciais, flacidez cutânea, perda do viço e turgor da pele entre outras alterações. Apresentar estes sintomas em idade ainda jovem, sem dúvida, caracteriza o tal envelhecimento precoce. Além da história clínica e exame médico, o diagnóstico é feito de forma muito simples, complementando- se com análises laboratoriais específicas, como a dosagem da quantidade de radicais livres, a presença de fatores de risco para doenças, determinação do perfil hormonal e outros parâmetros de absoluto interesse preventivo. Quanto ao tratamento, objetiva-se restabelecer o equilíbrio nutricional, através da suplementação de nutrientes (vitaminas, minerais, aminoácidos) e restaurar o metabolismo construtivo e reparador com a recuperação dos níveis sanguíneos dos hormônios. Saliente-se que os hormônios empregados no tratamento são os chamados hormônios isomoleculares, ou seja, são cópias perfeitas dos hormônios produzidos pelo corpo humano. Prosseguindo na estratégia terapêutica, recomenda-se um plano alimentar personalizado que contemple os hábitos alimentares de cada um, mas sem deixar de reeducar quanto à alimentação; prática regular de atividade física e medidas de controle do stress. Foi-se o tempo em que as pessoas ainda jovens tinham de padecer com sintomas precoces de envelhecimento e nada podiam fazer por si. O tempo passou, a Medicina evoluiu e hoje, felizmente, contamos com diversas possibilidades diagnósticas e terapêuticas promotoras de bem-estar, vivacidade e jovialidade.