A Importância da revisão dentária

É impressionante como o brasileiro não tem o hábito de fazer revisões dentárias periódicas. Com certeza, essa medida de precaução diminuiria, e muito, os problemas, além de reduzir os custos do tratamento. Sou formada há 26 anos, e, pela minha experiência, acredito que mais de 90% dos pacientes não voltem para revisões rotineiras. Muitos fazem tratamentos odontológicos bem grandes, investem um valor significativo para reabilitar suas bocas, deixam os dentes lindos com ótima saúde bucal, e então desaparecem. Voltam depois de algum tempo e, na maioria das vezes, dizem: “Pois é Doutora, estou com problemas no tratamento que a senhora fez, acho que foi ano passado a última vez que estive aqui”. Vou para a ficha do paciente, e nem me surpreendo mais: fazem cinco, seis, até sete anos, desde a última consulta. Em geral, todos dão algumas explicações, e depois de fazer uma análise, muitas vezes, têm vários reparos a fazer. Seria muito mais simples se os pacientes tivessem o hábito de ir ao dentista a cada seis meses ou, ao menos, uma vez por ano, mas são poucos os que fazem isto. É bom lembrar que aqueles com problemas periodontais, que são uma larga parcela da população, devem consultar com maior frequência, assim como os pacientes com próteses e implantes. Já tentei todos os tipos de idéias para que fizessem revisão: cartinhas, agendamento. Mas a maioria desmarca e não aparece. Nos Estados Unidos, minha filha é higienista dental, formada por um curso universitário, e tem como função fazer revisões nos pacientes. E é impressionante como os americanos fazem revisões e prevenção. Acredito que as explicações são várias, mas a única a que minha experiência consegue chegar é que sofremos de um problema cultural. Não temos esse hábito, inclusive porque, ainda há poucas décadas atrás, ir ao dentista era uma decisão dolorosa e ruim. Entretanto, precisamos mudar essa ideia, até para evitar muitos problemas de saúde bucal, além de economizar um bom dinheiro!