Viajar pela Índia é deixar se levar pelos mantras, aromas e cores de um país encantador e um povo que o caracteriza com muita amabilidade, hospitalidade e simpatia O que de novo nos reserva um destino de uma viagem? O que realmente está por trás de nossas escolhas? Acreditar que existam forças que nos impulsionem a conhecer novos lugares e nos arriscarmos em deliciosas aventuras desbravadoras que podem atingir uma evolução espiritual ou simplesmentese deixarlevar pelo prazer em satisfazer nosso ego? De uma forma ou outra, viajar sempre foi uma experiência muito cobiçada pelo ser humano, capaz de submetê-lo ao trabalho árduo para desfrutar alguns poucos dias e suprir seus desejos mais primitivos ou não. Nesta edição, apresentamos um doscentros de peregrinação da Índia: a sagrada Haridwar, uma das cidades mais antigas da Índia. Localizada ao norte do Estado indiano de Uttar Pradesh, no sopé dos Himalayas, há uma distância de cerca de 200 quilômetros de Nova Delhi, capital da Índia. Devido a sua localização geográfica privilegiada, Haridwar se destaca como a porta de entrada para os outros centros de peregrinações. Segundo as antigas escrituras e épicos, são nesses quatro locais: Allahabad, Ujjain, Nasik e Haridwar que, alternadamente, se celebra o Kumba Mela, importante e sagrado festival realizado quando Júpiter transita no signo de Aquário. Assim, cada uma dessas cidades abriga o festival de 12 em 12 anos. Haridwar é uma das primeiras cidades onde o Ganges emerge das montanhas dos Himalayas para tocar as planícies. Ali, a água do rio Ganges é mais clara, límpida e geralmente fria. A cidade respira devoção e caminhar por suas ruas, sempre repletas de “sadhus” (homens santos),é uma experiência inesquecível. De acordo com a mitologia hindu, Haridwar ou “Portal dos Deuses” é um dos sete locais mais sagrados da Índia e acredita-se que os deuses caminharam por aquela região e deixaram suas pegadas. São contadas muitas histórias de deuses, semideuses, reis e divindades que se confundem com as lendas. Também é possível participar de festas religiosas, oferendas, rituais de cremação, purificação, bem como do modo de vida emque os indianos vivem e acreditam. Um dos segredos aprendidos por lá foi o ritual do yagna, realizado ao nascer ou no pôr do sol utilizando o elemento Fogo. Yagna e Gayatri são descritos como os pilares da filosofia e da cultura indiana. A eterna fonte de conhecimento universal, compreendido no Gayatri Mantra, é decifrada na energia cósmica do som contido no Mantra e é ativado e expandido com a ajuda de Yagna. Literalmente, Yagna significa sacrifício altruísta para fins nobres. Sacrificar o ego, egoísmo e apegos materiais e adotar o pensamento racional, a compaixão humana e criatividade dedicada para o bem-estar de todos é realmente o melhor Yagna que deve ser praticado por todos os seres humanos. A filosofia do Yagna ensina uma maneira de viver na sociedade em harmonia, um estilo de vida para promover e proteger os valores humanos mais elevados na sociedade. Há dois sistemas básicos de energia no mundo físico: Calor e Som. No desempenho do Yagna, as duas energias, ou seja, o calor do fogo do Yagna e o som do Gayatri e outros Mantras são combinados para obter os benefícios físicos, psicológicos e espirituais desejados. Índia Sétimo maior país do mundo em área e segundo maior país do mundo em população, a Índia ganha de todos os demais países do planeta em termos de diversidade cultural. Nenhuma outra nação possui tamanha variedade de idiomas, etnias, crenças, estilos de vida e religiões. Vibrante, multicolorida e excitante, a Índia é um assalto aos sentidos. Diante de uma cultura que se mantém por mais de cinco mil anos é impossível manter-se indiferente. Conhecer a Índia é enxergar além do exótico: é compreender a espiritualidade traduzida nas cores do cotidiano e na amabilidade de seu povo.